San Andrés: veja as principais atrações

Acuario de San Andrés
Acuario de San Andrés

San Andrés, na Colômbia, é o destino ideal para quem quer relaxar. Perrengues e estresse passam longe.
A ilha não tem um grande número de atrações turísticas, então, ficar quatro dias por lá é o suficiente. Para não desperdiçar a ida ao país, recomendo visitar também Providencia e Cartagena. Comprei uma passagem na Copa Airlines usando o sistema de múltiplos destinos. Saiu por cerca de R$ 1.400 (Rio – San Andrés / San Andrés – Cartagena / Cartagena – Rio). Quem tem dúvidas sobre hospedagem em San Andrés pode ler o post que preparei sobre isso (clique aqui). Abaixo, listo os principais passeios.

Acuario de San Andrés:

Reservei no próprio hotel o tour Acuario + Johnny Cay. Se não me engano, saiu a cerca de 40.000 COP (pesos colombianos) por pessoa. A empresa indicada foi a Expedition Receptivo. Fuja dela. Os barcos têm péssima estrutura para acomodar os passageiros e os funcionários tratam todos com descaso.
O embarque aconteceu no Muelle Toninos. Nessa marina, há várias empresas de passeios. Então, dá para chegar lá por volta das 8h sem nada certo e tentar negociar um preço melhor. Estão disponíveis também barracas que vendem capas para celulares e aqueles sapatinhos de neoprene para caminhar sobre pedras. A capa vale muito a pena, pois no Acuario caminha-se dentro d’água para ir de uma ilhota a outra, e, durante o trajeto, é impossível não tirar muitas fotos. Não vi necessidade de levar sapato.
Cheguei ao Acuario umas 9h e já estava bastante cheio. Porém, nada insuportável. Rola um serviço de guarda-volumes bem útil, que custa 7.000 COP. Dá para largar tudo no armário e sair explorando. No local também funciona um pequeno bar. Na areia, ambulantes circulam oferecendo petiscos.
Acuario é simplesmente incrível. O mar de águas cristalinas impressiona. Quem quiser pode levar máscara de snorkel para ver os peixinhos enquanto nada. Vale lembrar que existe um restaurante aberto para almoço.

Acuario de San Andrés
Acuario de San Andrés
Acuario de San Andrés
Acuario de San Andrés
Acuario de San Andrés
Acuario de San Andrés
Acuario de San Andrés
Acuario de San Andrés

Johnny Cay:

Tem a mesma vibe do Acuario, mas com uma faixa de areia bem maior. Então, é mais interessante para relaxar e tomar um sol. Logo na chegada, o pessoal da agência ofereceu almoço (peixe, arroz etc), mas achei o preço caro e preferi comer na volta ao centro de San Andrés, o que ocorreu lá pelas 15h. Portanto, sugiro levar um lanchinho na bolsa para economizar. Ah, e quem não aguenta ficar torrando direto tem a opção de sentar nas mesinhas que ficam embaixo de coqueiros. Uma delícia!

Johnny Cay
Johnny Cay
Johnny Cay, em San Andrés
Johnny Cay, em San Andrés
Johnny Cay, em San Andrés
Johnny Cay, em San Andrés

Piscinita:

Rola chegar de carrinho de golfe ou ônibus. O primeiro tipo de veículo é muito utilizado na ilha, mas só vale a pena para grupos, pois o aluguel diário custa caro. Por outro lado, dá bastante liberdade para percorrer San Andrés inteira.
Resolvi usar o transporte público, barato e prático. O trajeto, que teve como ponto de partida a praia Spratt Bight (onde eu estava hospedada), foi bem tranquilo. Desci na porta da Piscinita. A entrada custa 4.000 COP e dá direito a uns pedaços de pão para jogar para os peixes. É bonito, mas nada espetacular. Melhor chegar por volta das 13h, pois, antes disso, a concentração de turistas é grande.

Piscinita, em San Andrés
Piscinita, em San Andrés

Hoyo Soplador:

É totalmente sem graça. Trata-se de um buraco de onde sai água com bastante pressão. Um jato, apenas isso. O que vale mesmo é caminhar pelo entorno. Um restaurante localizado em frente ao mar, chamado Punta Sur, tem uma vista linda. Almocei no terraço do estabelecimento e tive uma ótima experiência. Também dá para visitar lojinhas de artesanato por ali.

Punta Sur, em San Andrés
Punta Sur, em San Andrés

 

Rocky Cay:

Para chegar, é necessário seguir para a Playa San Luis. Peguei um ônibus saindo da Spratt Bight e o motorista parou em frente ao clube que dá acesso à praia. Está escrito Decameron no muro. Você entra e já cai na areia. Nesse ponto, há guarda-volumes (5.000 COP), serviço de massagem, bar e restaurante.
A partir daí, é só entrar no mar e caminhar até Rocky Cay. Quem não dá pé pode ir nadando. É uma travessia curtinha, de uns três minutos. Amei esse passeio! Depois, parei na praia e fiquei descansando debaixo dos coqueiros.

Rocky Cay, em San Andrés
Rocky Cay, em San Andrés
Playa San Luis, em San Andrés
Playa San Luis, em San Andrés

Spratt Bight:

Está localizada bem no centro, próxima à maioria dos hotéis mais recomendados e dos bares e restaurantes. É, de longe, a praia menos atraente da ilha. É mais cheia que as outras e não tem tantas partes com sombra. Mas vale conhecer de qualquer forma.

Cayo Bolívar:

Dizem que é a parte mais linda de San Andrés, mas não pude visitar. Parece que o Exército ocupou a área porque o turismo estava causando muitos danos à região. Isso aconteceu em março de 2016. Portanto, pesquise para saber se o acesso foi liberado.
Por fim, vamos falar de grana. Recomendo levar cerca de 250 mil COP para San Andrés para fazer uma viagem confortável (quatro dias). Dependendo da cotação, é melhor comprar dólares aqui e trocar no aeroporto de lá. Foi o que fiz.
Aqueles que gostam de economizar podem recorrer ao fast-food e ao transporte público. No calçadão da Spratt Bight é possível encontrar vários restaurantes com preços acessíveis. Para se ter uma ideia, cada refeição sai a 30 mil COP, em média. Já o Subway, por exemplo, vende sanduíches a dez mil. Já nos estabelecimentos mais caros a conta fecha em, aproximadamente, 50 mil por pessoa.
*Viagem realizada em março de 2016

LEIA MAIS:

Onde se hospedar na Colômbia
O que fazer em Cartagena?
As principais atrações de Punta Cana
Cayo Cangrejo, paraíso na Colômbia

5 Responses

Deixe uma resposta